Em 2012, o Programa de Controle da Poluição do Ar por Veículos Automotores (PROCONVE), criado pelo Conselho Nacional do Meio Ambiente (CONAMA), homologou as fases P7 (para veículos pesados, acima de 3,5 toneladas) e L6 (para veículos leves, até 3,5 toneladas). Na prática, foram estabelecidos novos níveis (mais baixos) para a emissão veicular de gases poluentes. Com essa ação, a partir de 2012, começaram a ser fabricados veículos com tecnologia mais sofisticada nos motores, assim como um novo tipo de diesel: o S-10 ( combustível com teor de enxofre máximo de 10 partículas por milhão), que substituiu o antigo S-50 (50ppm).

Dessa forma, o uso do S-10 nos veículos com motor modernizado se tornou fundamental. Já os veículos fabricados antes de 2012 preferencialmente utilizam o diesel S-500 (500ppm), como veremos a seguir.

 

Veículos a diesel fabricados a partir de 2012: a modernização

 

Para entendermos a importância de utilizar o S-10 e o S-500 corretamente, devemos primeiramente observar as diferenças no funcionamento do motor desses veículos, já que os fabricados a partir de 2012 possuem modificações visando à diminuição da emissão de gases poluentes.

 

O SCR (Sistema de Redução Catalítica Seletiva) é uma modernização no motor dos veículos movidos a diesel, desenvolvida para diminuir a emissão de gases poluentes. Seu funcionamento acontece juntamente com o reagente não-tóxico ARLA-32, reduzindo quimicamente as emissões de óxidos de nitrogênio presentes no escape de veículos. O ARLA 32 é classificado como produto de categoria de risco mínimo no transporte de fluídos. Não é um combustível, nem um aditivo de combustível e precisa ser utilizado em um tanque específico em veículos diesel SCR. O consumo médio de ARLA 32 é de 5% do consumo de diesel, de maneira que será necessário abastecer muito menos o reagente. Uma proporção de 5 litros de ARLA 32 para cada 100 litros de diesel.

 

Outra sistema adotado pelos fabricantes automotivos é o de Recicurlação dos Gases de Exaustão (EGR). Essa opção não necessita do abastecimento de ARLA-32, pois permite a redução da emissão de enxofre através do retorno dos gases de descarga para a câmara de combustão.

A escolha de qual tecnologia utilizar fica a encargo dos fabricantes. Atualmente o sistema mais adotado no Brasil e no mundo é o SCR.

 

Óleos Diesel S-10 e S-500

O óleo diesel S-10 é um combustível de coloração transparente ou levemente amarelada, que passou a ser comercializado em janeiro de 2013, substituindo o S-50. Ele é ideal para o abastecimento de veículos diesel SCR e EGR. Além de ser menos poluente, o S-10 tem número de cetano 48, contra 42 do diesel S-500 e 46 do diesel S-50. Ou seja, tem maior qualidade de ignição. Já o óleo diesel S-500 possui coloração vermelha e passou a ser comercializado gradualmente no Brasil a partir de 2006, substituindo definitivamente o S-1800 em janeiro de 2014. O combustível  é direcionado a veículos fabricados antes de 2012. Além de ser mais poluente em comparação ao S-10, o combustível possui menor potência de ignição, o que pode trazer dificuldades ao motorista em dias frios.

 

Confira as principais vantagens do S-10

 Caminhão

Para o  veículo

 

 meio ambiente

Para o meio ambiente

 Check

Diminui a formação de depósitos no motor.

 

 Check

Menor emissão de material particulado.

 Check

Reduz a incidência de contaminantes no lubrificante, aumentando o intervalo de troca.

 

 Check

Redução na emissão de fumaça branca.

Check 

Melhora a partida a frio.

 

 

 

 


Mas o que acontece se eu abastecer meu veículo com o combustível errado?

 

 

Uso do S-500 em veículos diesel SCR ou EGR

Esse abastecimento só pode ser realizado em casos de extrema urgência, pois o S-500 prejudica o funcionamento do motor. Caso haja essa necessidade, o condutor deve realizar o reabastecimento o quanto antes. Se possível, também, realizar uma limpeza. Combustível contaminado provoca: aumento das emissões, entupimento do catalisador e filtro, aumento do consumo, redução da vida útil do motor, entre outros problemas.

 

Uso do S-10 em veículos não equipados com o sistema de redução de poluentes

Pode-se utilizar o S-10 em veículos diesel normais, mas a redução da emissão de poluentes será muito pequena e é obrigatório que seja feita uma limpeza do tanque de combustível e sua linha antes desse abastecimento. Não utilize água nessa limpeza, pois devido às características higroscópicas (capacidade de atrair água) do S-10, a água e umidade devem ser evitadas a todo custo. Além disso, a linha de injeção de combustível no tanque deve ser limpa, incluindo a troca de filtros. Com todas essas precauções, evita-se que componentes que já existem nesse tanque reajam com o novo combustível e desencadeiem efeitos indesejáveis em seu veículo.

 

Importância para o meio ambiente

É importante que as transportadoras se adaptem ao uso dos combustíveis menos poluentes, já que é uma necessidade mundial a diminuição da emissão de gases poluentes. O Brasil, quinto páis do mundo em expansão, possui o compromisso de modernizar seus veículos para reduzir às emissões, e considerando que o transporte rodoviário é a principal operação de distribuição do país, torna-se fundamental que medidas como essa sejam adotadas. O mal uso do combustível, como apontamos, gera problemas mecânicos, e burlar o sistema dos motores visando o uso de qualquer tipo de combustível pode gerar multas, além da perda da garantia do veículo.

 

Abastecendo corretamente: sempre!
Ressaltada a importância do abastecimento correto para manter à qualidade e aumentar a durabilidade dos veículos diesel, torna-se fundamental para gestores de frota e transportadoras um controle rigoroso no abastecimento de seus veículos.

 

Como dissemos em 6 dicas para controle de abastecimento de veículos da frota, um dos fatores fundamentais para as transportadoras possuírem maior efetividade na gestão de sua frota é o investimento em um software de controle e análise de abastecimentos. Afinal, nas transportadoras há veículos de diferentes tecnologias e anos de fabricação, aspectos que apontamos como importantes na hora do abastecimento.

 

Imagine um sistema em que um totem é instalado junto ao tanque de combustível, registrando em tempo real os abastecimentos, o nível de combustíveis disponíveis e médias de gasto. Além disso, um sistema que permita o abastecimento do veículo (previamente cadastrado) apenas com o combustível adequado para seu funcionamento. É isso que oferece o aparelho da  CTA Plus, criado para atender à demanda das melhores transportadoras e uma resposta a má gestão de abastecimentos.

 

Esse sistema automatizado de gestão de abastecimentos atende de pequenas à grandes frotas, em pequenas, médias ou grandes transportadoras. Com as estatísticas de médias de consumo por veículo e frota geradas pelo sistema, a empresa pode prever o volume necessário de combustível a ser reposto, evitando desperdícios. O aparelho da CTA Plus também identifica quando o volume do tanque de abastecimento está baixo e avisa, por e-mail, o responsável pela gestão da empresa, outra função muito importante para o planejamento preventivo. Com suas características modernas, simples e ágeis, este software gera precisão e qualidade de gestão para as melhores e mais reconhecidas transportadoras do país.

 

Confira como funciona a identificação do abastecedor/motorista e do veículo no abastecimento com o CTA Plus:

http://ctaplus.com.br/funcionamento.php

 

Gostou? Tem mais dúvidas? Deixe o seu comentário ou acesse www.ctaplus.com.br